Ninja Gaiden Sigma Plus
Dificuldade extrema, agora no portátil
07/05/12 às 18:59 - Por Jefferson Kayo
PS Vita
Notícias
Prévia
Galeria



A série Ninja Gaiden é uma das franquias mais importantes dos jogos de videogame. Seu reboot em 2004, o colocou novamente em destaque, agora com uma modelagem 3D e um visual completamente diferente daquela roupa azul de antigamente. Sua contraparte, Ninja Gaiden Sigma, para PS3 (2007), colocava as aventuras de Ryu Hayabusa à disposição dos usuários do console da Sony pela primeira vez.

 
Muitas continuações deram as caras no console, com melhorias técnicas e extras que só os usuários do PS3 poderiam usufruir. Com o lançamento do PlayStation Vita e aquele hardware poderosíssimo para um portátil, o Team Ninja viu ali, uma oportunidade. Assim, Ninja Gaiden Sigma Plus é mais uma chance de experimentar a aventura que trouxe novos ares aos jogos do gênero.
 
Tenha isso em mente: Ninja Gaiden Sigma Plus não é um remake, não tem gráficos melhorados e nem carrega consigo extras em relação à sua versão anterior - a não ser a lista de troféus, muito bem vinda, e uma pequena utilização dos recursos do portátil. Ele é exatamente o mesmo jogo encontrado na lista de Best Sellers do PS3, que agora pode ser jogado no ônibus, graças ao PSVita. Mas então, para quê comprá-lo?
 
Se você já possui uma cópia do game para o seu PS3, realmente não terá motivos tão fortes para adquirir uma cópia - distribuída em mídia física ou digital, via PSN -, caso contrário, essa é a sua chance de por em dia essa falha de currículo na sua vida de jogador de videogames. Principalmente pelo fato de NGSP possuir um modo Hero, mais fácil que os anteriores, que lhe dá defesa automática e outras coisinhas.
 
Na tela de cinco polegadas do portátil, Ninja Gaiden Sigma Plus parece até mais bonito que o original. A exploração, as batalhas épicas e a angústia de desviar daqueles shurikens explosivos mantém-se idênticas ao originial. Infelizmente, o framerate inconstante e as pequenas travadas a cada cutscene mantém-se, igualmente. Nada que atrapalhe (tanto) a diversão, claro.
 


Com o intuito de utilizar as novas ferramentas do portátil, Ninja Gaiden Sigma Plus colocou alguns recursos touch screen. Tocando na tela do PSVita, você assume a visão em primeira pessoa, ideal para se localizar e procurar determinados itens. Na primeira pessoa, basta você movimentar o portátil para os lados e, com a ajuda do giroscópio, passar sua visão por todos os cantos da tela. É estranho no começo, faz a gente parecer aquelas pessoas que fazem a curva no joguinho de automobilismo e levam o controle às alturas. Mas não se preocupe, é possível girar a visão do herói com os direcionais também.
 
Com a visão em primeira pessoa, e munido de um arco e flecha, você pode usar a tela de toque para mirar e atirar nos seus oponentes. Basta escolher o inimigo e encostar na tela do portátil em cima dele. A flecha é disparada automaticamente e dificilmente você errará o alvo. No entanto, Ninja Gaiden prima por uma inteligência artificial desafiadora, fazendo com que a simples tarefa de colocar o dedo na tela, largando o direcional ou mesmo os botões de ataque, torne-se uma atividade de alto risco para sua barra de energia.
 
No caso dos Ninpo, as poderosas magias que Ryu Hayabusa vai aprendendo durante sua jornada, basta clicar na esmeralda que indica a quantidade de Ninpos disponíveis, logo abaixo da barra de energia do herói.Logo em seguida, clicar nos ideogramas japoneses e finalizar seu golpe. Nesse caso, encostar na tela para disparar uma magia pode ser tão prático quanto apertar dois botões ao mesmo tempo (que não funcionam nessa versão do jogo).
 
Ninja Gaiden Sigma Plus é aquela oportunidade que você tanto aguardava de poder praticar, em qualquer lugar, o manuseio de espadas, a defesa no tempo exato e sua paciência, pois o game é tão difícil quanto seu original. Disponível em cópias físicas e digitais, se você ainda não teve a oportunidade de jogar, a hora é mais que apropriada.

Ninja Gaiden Sigma Plus

7.0

Bom

Lançamento: 22/02/12

Produtora: Tecmo Koei

Distribuidora: Tecmo Koei

Jogadores: 1

Gênero: Ação, Hack and Slash

DO QUE GOSTAMOS

Nova dificuldade para iniciantes
Mini games com a tela de toque
Troféus

DO QUE NÃO GOSTAMOS

Pequenos problemas com framerate
Apenas um port, sem mudanças em relação à versão de PS3
Autor da análise
Jefferson Kayo
Jornalista de joguinho e pseudo apresentador do Go! Game. Nutre em seu peito um sentimento de nostalgia para os botecos com fliperamas e do escambo entre um passe de ônibus e três fichas. Também acha que Smash Bros. não é jogo de luta.